segunda-feira, 27 de julho de 2009

HOMENAGEM A MERCE CUNNINGHAM (1919-2009)

Merce Cunningham foi um artista inovador que atravessou a segunda metade do século XX, adentrando a era digital, criando dança entre as evoluções tecnológicas de seu tempo.

SANTANA (2002) em sua dissertação de mestrado adentra a vida e obra deste artista que, segundo a autora, causou verdadeira modificação na organização da estrutura da dança, sendo que sua lógica de pensamento não podia mais se organizar por leis da mecânica clássica, e sim pela percepção de estar vivendo a relatividade de Einstein, onde “não há pontos fixos no espaço”. (p. 84)

Os pensamentos de Cunningham estão articulados com a integração e não hierarquização entre as disciplinas artísticas onde “a visão de um sistema ‘corpo aberto’, expandido e modificado pela interação com o meio, em um contínuo processo evolutivo, faz parte do padrão de informação que é transmitido através tanto da técnica construída por Cunningham como da organização coreográfica que ele estabeleceu.” (idem p. 119)

Pelo ponto de vista de WOSNIAK (2006, p. 50) “ao romper com o matriarcado característico da dança moderna, Merce Cunningham tornou-se grande inovador desta linguagem na segunda metade do século XX.” A autora apresenta quatro fases do trabalho do artista para facilitar o entendimento sobre sua trajetória, que veremos a seguir.

A primeira fase (anos 30 e 40): encontra-se a primeira fase da parceria entre Cage-Cunningham no Black Mountain College, onde fundamenta-se a independência das artes no trajeto de Cunningham como artista interdisciplinar

Segunda fase (a partir dos anos 50): Após fundar a Merce Cunningham Dance Company, começa a inserir em sua obra o acaso (influenciado pelo I Ching) num procedimento denominado chance operation.

Na terceira fase (anos 60-70) Cunningham inicia a criação de trabalhos especificamente para as telas de cinema e video. Novas parcerias são firmadas com Charles Atlas e Elliot Caplan.

A quarta e última fase (anos 90) cria em parceria com Thomas Calvert da Universidade Simon Fraser, British Columbia, o Life Forms, software que reproduz o movimento, além de criar novas formas de organizá-lo.

Olhar a obra de Cunningham e relacionar as características que estão presentes no modo de organizar suas danças, como o aleatório, não linearidade na estrutura do espetáculo, work in progress, e que hoje são consideradas características da dança contemporânea.

Percebe-se que a obra de Cunningham está inserida num contínuo processo evolutivo através do tempo, que acompanha o desenvolvimento da arte deste coreógrafo que transitou por diversas manifestações da dança em relação as tecnologias eletrônicas e posteriormente digitais.

Merce Cunningham morreu de causas naturais nesta noite de domingo (26/07), aos 90 anos, em sua casa em Nova York.

SANTANA, IVANI. Corpo Aberto: Cunningham, Dança e novas tecnologias. São Paulo: Educ, 2002.

WOSNIAK, CRISTIANE. Dança, Cine-dança, video-dança, ciber-dança: dança, tecnologia e comunicação. Col. Recém Mestre. Curitiba, 2006.

FOTO: TERRY STEVENSON

Nenhum comentário:

VIDEODANÇA+ 01

VIDEODANÇA+ 02

VIDEODANÇA+ 03

VIDEODANÇA+ 04

VIDEODANÇA+ 05

VIDEODANÇA+ PARTE 6

Seguidores